Bitcoin Carebears

Como o Bitcoin funciona

O melhor exemplo inquestionável de comunidade que pode ser criada com criptografia foi o Bitcoin, sistema de moeda digital criado por Satoshi Nakamoto, cuja identidade permanece desconhecida. O Bitcoin usa todos princípios que descrevi no últimos capítulos. Ele é baseado em software livre e usa criptografia de chave pública para assegurar a validade das mensagens enviadas nele.

Bitcoin é um sistema de dinheiro digital peer-to-peer que é independente de bancos e do governo. Para uma explicação detalhada de como o Bitcoin funciona, o paper original do Satoshi não é difícil de se ler [1], mas ele funciona exatamente nas linhas que explique anteriormente. Cada pessoa tem uma ou mais carteiras que contém uma chave pública e uma privada. O software do Bitcoin consegue construir uma mensagem assinada pela chave privada de uma carteira que fala que uma dada quantidade de Bitcoin foi transferida para outra carteira.

O histórico de transações de todas as transações do Bitcoin que foram feitas são armazenadas numa base de dados pública, chamada blockchain. A blockchain tem cópias em diversos computadores. A quantidade de Bitcoins que uma carteira tem é dado através da leitura da blockchain. É deste modo que o Bitcoin usa o sistema de reputação que eu descrevi anteriormente. O histórico da carteira determina o que ela pode fazer. Se ela gastou todos os Bitcoins que ela gastou, ela não pode gastar mais nada.

Portanto, criptografia faz com que o Bitcoin se comporte como uma commodity fisicamente escassa, mesmo que ela seja apenas dados em um computador. Não se pode criar um Bitcoin do nada, pois não será possível rastrear para uma válida transação na blockchain. Transações não podem ser falsificadas, pois é necessária a assinatura digital da carteira que criou a transação.

Bitcoin System

A blockchain é criada de tal forma que sempre existe um consenso sobre o histórico de transações. A importância disso é por ser possível fazer duas transações que são válidas, porém incompatíveis. Por exemplo, suponha que alguém tem mais do que um Bitcoin, porém menos do que dois, e ela faz duas transações de um Bitcoin cada ao mesmo tempo. Todo mundo deve concordar qual transação aceitar e qual negar.

Isso é feito através de blocos que são difíceis de se gerar e que requerem certas regras. Em troca de taxas de transação e Bitcoins, as pessoas usam seus computadores para tentar gerar novos blocos. Uma vez um criador, ele tem prioridade e é difícil criar um bloco competidor. O criador do bloco decide quais transações devem entrar neles. Conforme a corrente cresce, fica mais difícil de produzir uma corrente rival, que foi ramificada um um dado momento no passado.

O Bitcoin não é tão anônimo quanto pensam. Mesmo que não tenha nada que prove quem é o dono de certa carteira, é possível investigar a blockchain atrás de pistas que podem ligar a carteira a alguém. Essa é uma das maiores desvantagens do Bitcoin. Entretanto, um possível upgrade para o Bitcoin chamado Zerocoin está em desenvolvimento, que melhoraria em muito a anonimidade.[2]

Existe um debate entre economistas da Escola Austríaca se o Bitcoin é adequado ou até possível de ser usado como dinheiro. Os críticos do Bitcoin, entretanto, são simplesmente ignorantes. O amor ao ouro deles os cega elas quanto a objetividade.[3] I não vou tentar fazer uma análise econômica do Bitcoin aqui, mas autores da Escola Austríaca como Peter Surda e Konrad Graf demonstraram com grande claridade que o Bitcoin funciona perfeitamente como moeda e que nenhuma lei da economia será violada se ele virar dinheiro.[4]

Pensando a frente

O Bitcoin tem enormes benefícios sobre o PayPal, cartões de crédito, bancos e até ouro em várias frentes. Ele pode ser teletransportado para o outro lado do mundo sem ter que confiar em nenhuma instituição, apenas em uma rede distribuída de computadores. Uma carteira de Bitcoin, propriamente segura, não pode ser roubada. Bancos são obsoletos. É mais difícil criar Bitcoin do que escavar ouro. Teoricamente é possível fazer uma máquina que fabrica ouro atrás de reações nucleares. Seria muito mais difícil convencer a comunidade do Bitcoin a aceitar mudanças no software que fariam com que o Bitcoin fosse inflacionado. O Bitcoin é potencialmente, eu diria até provavelmente, uma das maiores invenções da história da humanidade. Ele luta lado a lado com os libertários.

Se o Bitcoin virar dinheiro, o controle do governo sobre o dinheiro estará acabado. Não vão ter mais bancos para o governo fazer conluio. A era das trevas da inflação chegará ao fim. Mesmo com apenas quatro anos de idade, o Bitcoin tem shaken o mercado mundial. Quase tudo já pode ser comprado com ele. Argentinos e Iranianos usam-o para escapar do controle de capitais. Reguladores estadunidenses são "zoados abertamente em TV" por falar sobre a possibilidade de controlá-lo. Seu crescimento é estrondoso, e conforme ele cresce, mais útil ele se torna. É como A Bolha Assassina. Ninguém pode pará-la.

O mercado negro está indo para um patamar que não era pensando alguns anos atrás. Baseando-se no Bitcoin e no Tor, o Silk Road é um site de venda de drogas. Ele não esconde sua existência. Ele é aberto para todos, como um afronte a guerra às drogas. O estado não consegue descobrir onde ele é hospedado. a conta bancária dele não pode ser fechada.

No mundo em que vivemos o Bitcoin é uma peça importante no jogo. Ele quebra o status quo no mundo. Isso é o que pode ser atingido com criptografia. E o Bitcoin é apenas uma aplicação do que eu descrevi no capítulo 1. Bitcoin não é apenas um fórum online com sinais de emoticons e tal. É uma comunidade real, é uma commodity real, mesmo que ele seja apenas construído em um protocolo criptográfico é um software que implementa-o. Muito mais ainda pode ser feito. Qualquer comunidade fundada com base em criptografia pode se tornar tão forte quanto o Bitcoin. Tudo que é preciso é um novo app.

A rede do Bitcoin demonstra um exemplo de legislação libertária. O protocolo Bitcoin é uma lei, que todos que interagem com a rede devem aderir, caso contrário, a rede não vai aceitar você. O autor não é um representante eleito, mas sim um gênio anônimo que deixou para nós uma proposta para adotarmos.

Tree

Pensando em uma estratégia libertária, deveriam convencer pessoas a usar criptografia mais criptografia no dia a dia. Podemos fazer isso criando produtos que usam criptografia e de tal jeito que as pessoas adorem eles. Quanto mais gente aceitar a ideia de uma comunidade criptográfica, mas demanda pela comunidade vai existir. Quanto mais comunidades dessas existirem, mais fracos ficaram os opressores. Precisamos de uma bolsa de valores criptográfica, um sistema de resolução de contratos criptográfico, um sistema de cartão de crédito criptográfico, uma rede social criptografica.[5] Todos esses sonhos são possíveis e muito mais coisas além da minha imaginação. Nenhum deles requer vencer uma eleição, mas cada um poderia mudar o mundo.

Capítulo 1: A estratégia

Capitulo 2: Criptografia de Chave Pública

Capítulo 4:

Notas:

  1. NAKAMOTO, S. "Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System", 2008
  2. MIERS, I., GARMAN, C., GREEN, M., RUBIN, A. "Zerocoin: Anonymous Distributed E-Cash from Bitcoin", 9 de abril de 2013.
  3. Veja GERTCHEV, N. "The Moneyness of Bitcoin", Mises Daily, 14 Apr 2013 que troca preferencia subjetiva por teoria economica. See KORDA, P. "Bitcoin: Money of the Future or Old-Fashioned Bubble?", Mises Daily, 9 de abril 2013 para um monte de falacias irrelevantes. See SHOSTAK, F. "The Bitcoin Money Myth", Mises Daily, 17 de abril 2013 para o artigo sobre Bitcoin mais absudo que já li..
  4. See ŠURDA, P. "Economics of Bitcoin: is Bitcoin an Alternative to Fiat Currencies and Gold?", 2012 para uma analise excelente analise detalhada sobre o Bitcoin. Também veja o blog do autor. See GRAF, K. "Bitcoins, the Regression Theorem, and that Curious but Unthreatening Empirical World", 23 de fevereiro de 2013 para uma maravilhosa discussão e o teorema de regressão. Também veja o blog do autor.
  5. Existe um programa maravilhoso chamado RetroShare que tem muitas funções iguais a do Facebook, porém em uma rede criptografada e distribuida, sem um servidor central. Entretanto, o programa ainda precisa de muito trabalho paa que vire popular
Fonte: Crypto-Anarchy and Libertarian Entrepreneurship – Chapter 3: The Killer App of Liberty