Uma Resposta Agorista ao Banimento de Anarquistas no Facebook

Table Of Contents

Traduzido por: Iann Zorkot
Revisado por: C4SS, Instituto Ágora, Matheus Bach

ver lista de contribuidores

Logan Marie Glitterbomb

O Facebook está de volta nisso novamente. Em consequência do comício Unite the Right em Charlottesville alguns anos atrás, e devido a muita pressão de ativistas, o Facebook respondeu com uma onda de proibições e censura de “extremistas raciais” que foi tão ampla e simultaneamente ineficaz que literalmente muitos supremacistas brancos puderam continuar falando besteiras, enquanto os ativistas anti-racistas foram banidos por fazer comentários sobre os brancos. No início deste mês, o Facebook baniu qualquer coisa relacionada ao movimento Boogaloo, retratando-os como racistas violentos quando muitos dos grupos e páginas do Boogaloo no Facebook expressamente baniram o racismo e a intolerância. Embora reconhecidamente nem sempre sejam os mais educados ou flexíveis, esses grupos e páginas eram amplamente inclinados para posições libertárias e muitas vezes estavam cheios de memes sobre nazistas yeeting* que espelham alguns dos memes mais picantes da antifa. E agora o Facebook baniu páginas, grupos e indivíduos associados à antifa, anarquismo, QAnon e milícias.

Isso certamente reflete a besteira de “ambos os lados” que fez ativistas anti-racistas serem confundidos com racistas sob as regras anteriores do Facebook. Os grupos de milícias de direita, como os Oathkeepers e os cultistas QAnon, são aglomerados com grupos de autodefesa esquerdistas e anarquistas, de maneira semelhante ao que o próprio Trump faz. Na verdade, isso também se aplica ao fato de o governo Trump ter como alvo os anarquistas e antifascistas, o que é preocupante. Embora o que é mais preocupante, na minha opinião, é o fato de que tantos anarquistas terem se tornado tão dependentes dessa plataforma específica para divulgação e organização quando deveríamos ser os mais experientes no assunto.

Em vez de nos organizarmos e nos comunicarmos por meio de canais de mídia independente, como os anarquistas costumavam fazer, ou mesmo utilizar plataformas de mídia social alternativas em grande medida, nos tornamos dependentes do Facebook em um grau perigoso. E eu entendo, é uma plataforma que nossa família e amigos fora de nossos círculos políticos usam, portanto, há mais oportunidades de alcançar pessoas fora de nossas bolhas. Mas talvez seja hora de todos nós abandonarmos o navio. Mesmo aqueles não visados por essas proibições devem se preocupar com a operação de criação de dados do Facebook em geral.

É claro que o maior obstáculo para fazer com que as pessoas mudem para outra plataforma, como MeWe, Minds, Mastodon, etc., é que a maior parte da sua rede social ainda não está lá. Mas esse foi um problema que o Facebook teve durante os dias do MySpace e acabou superando. Pode demorar um pouco para que a transição chegue à larga escala que desejamos, mas tem que começar em algum lugar.

Então, em vez de lutar para voltar ao Facebook, siga o caminho agorista e entre em uma plataforma diferente enquanto incentiva outros em seus círculos sociais a fazerem o mesmo. Traga sua família, amigos e camaradas políticos. Precisamos de um movimento de massa fora do Facebook. Nunca deveríamos ter deixado Zuckerberg ter tanto poder. Deixe a plataforma morrer como uma relíquia do passado enquanto pavimentamos novos caminhos entre os muitos sites de redes sociais descentralizadas disponíveis para nós. Claro, talvez tenhamos que nos esforçar para recuperar a rede que tínhamos no Facebook, mas muitos de nós já temos várias contas de mídia social, como Twitter, Tumblr etc. e não pensamos muito nisso, então qual é a diferença?

Então, vamos aproveitar essa oportunidade para fazer a bola rolar um pouco mais adiante e deixar o Facebook para os dinossauros.

Notas do Tradutor:
  • ‘Yeeting’ é uma gíria gringa que, bem…, nem os gringos sambem definir muito bem o que ela significa rs…

Fonte: (An Agorist Response to Facebook Banning Anarchists - Logan Marie Glitterbomb)[https://c4ss.org/content/53443]


A comunidade contra-econômica: células de liberdade
Como podemos reconquistar a Internet criando internets em letra minúscula

Comments