Retornando

Traduzido por: Vinicius Yaunner, baseado na tradução do italiano pro inglês de Andy Carloff
Revisado por: Matheus Bach

ver lista de contribuidores

Retornando

Caro “Libertario”,

Vinte e dois meses se passaram desde o dia em que o mais brutal e viscoso de todos os monstros tentou me varrer também entre suas mandíbulas lúgubres e sangrentas. Sim, até eu estava destinado a ser transformado em um humilde instrumento de servilismo bestial; estava destinado a me sacrificar (Oh, as bestas do sacrifício) no altar mais estúpido e grotesco de todos os fantasmas humanos; estava destinado a ser transformado em um “pedaço de material humano"…

Mas não acredito em destino.

Nem mesmo no destino eu acredito! Não! Acredito apenas na minha capacidade de potencial! E foi só em nome disso que respondi com um “NÃO” arrogante e desdenhoso distintamente anárquico, e fui embora dali …

Tenho caminhado com infinita alegria pelos caminhos da Dor. Sempre tive Peril como companheiro, que sempre é como um querido irmão. Sempre tive nos lábios o sorriso irônico do superior e do forte; Nos olhos serenos da visão fascinante da tragédia heróica, só entendi o manto livre da vida libertada. Eu estava sozinho … mas na sombra eu sabia que havia uma ousada falange oculta dos coerentes e audaciosos que viveram a minha mesma vida! Ah, quanto amor eu sentia por aquele quadro anônimo …

O que importa se grande parte deles definha por muito tempo no chão de celas úmidas? Eles não desistiram! Eles viviam, nós vivíamos à margem da sociedade dos verdadeiros rebeldes, dos iconoclastas intransigentes, ou daqueles que não se importavam com o que poderia ser a tragédia final. E é a este Punho de conscienciosos “Manifestantes Negros”, ó, querido “Libertário”, que hoje envio às suas colunas depois de ter agradecido profundamente a Vós e a todo aquele quadro de companheiros anarquistas e amigos socialistas pela máxima moral e material solidariedade prestada durante minha vagabundagem ilegal e minha … prisão legal. Minha saudação mais fervorosa e fraterna dizendo-lhes: “Vocês são orgulhosos e justos de sua ação, porque é somente da desobediência e da revolta que nasce um raio de beleza humana!".

Saudações a vocês, verdadeiros anarquistas!

Saudações a vocês, irmãos humanos!


Fonte: Returning - Renzo Novatore


Panarquia
Sobre Individualismo e Rebelião

Comments