P2P, Cooperativas e a Contra-Economia

Table Of Contents

Traduzido por: Vinicius Yaunner
Revisado por: Matheus Bach

ver lista de contribuidores

P2P, Cooperativas e a Contra-Economia

Kevin Carson

Tem havido muita discussão ultimamente sobre a relação do p2p com o movimento cooperativo. A edição 88 do Integral Visioning incluiu uma subseção temática sobre cooperativas. Nele, Michel Bauwens vinculou a um artigo na Grassroots Economic Organizing comparando a estrutura de conglomerado hierárquico de Mondragon (aparentemente desfavorável) ao estilo descentralizado e ascendente de Emilia-Romagna.

De qualquer forma, parece que coincide com algumas das minhas próprias visões de Mondragon. Certamente, a Mondragon é muito melhor do que nada: o sistema da Mondragon como um todo é de propriedade e controle dos trabalhadores, e é um ambiente muito mais agradável para os trabalhadores do que a empresa capitalista típica. Mas, internamente, não é organizado de acordo com linhas libertárias ou descentralizadas. É organizado como uma empresa típica de cima para baixo, com o conselho responsável pelos trabalhadores do sistema como um todo, mas com autoridade descendo do conselho aos gerentes da fábrica e aos capatazes. Portanto, o trabalhador médio no sistema Mondragon tem tanta influência nas decisões de seu capataz ou na maneira como seu departamento é administrado quanto, digamos, votar para prefeito dá a você a equipe do Departamento de Rua que está destruindo sua vizinhança.

O artigo levou Michel a fazer uma observação própria.

Devo compartilhar um certo ceticismo em relação ao movimento cooperativo… Ele existe há mais de 200 anos e sempre foi marginal. A razão é que, por mais socialmente mais desejável que seja em termos de criação de relações humanas mais cooperativas, é superado por empresas com fins lucrativos. E essa é a grande diferença com a produção entre pares: a produção entre pares é mais produtiva do que suas alternativas com fins lucrativos e socialmente mais desejável.

Para ser justo com as cooperativas, devo dizer que quando elas são derrotadas, é porque estão competindo em um sistema capitalista de estado onde a grande empresa corporativa é a forma dominante de organização e as bases estruturais do sistema como um todo são projetadas para apoiar a grande corporação. Uma razão pela qual o p2p tem menos desvantagem competitiva é que ele opera predominantemente em setores da economia onde os subsídios e privilégios capitalistas de estado tradicionais são menos eficazes.

O chamado “beco sem saída de Rochedale”, pelo qual cooperativas bem-sucedidas assumem as características de empresas capitalistas e até mesmo se tornam sujeitas a aquisições hostis e desmutualização, já foi observado antes (estou atualmente lendo “Race Work” de Matthew C. Whitaker). A solução para isso é:

    1. As cooperativas de consumo se relacionarem com cooperativas de produçäo e outras instituições contra-econômicas em uma contra-economia coerente, visando suplantar a capitalista, em vez de tentar ter sucesso imitando-a; e
    1. O movimento contra-econômico engajar e reverter o estado, reduzindo a vantagem competitiva conferida pelo estado do modelo de empresa capitalista/corporativista de estado.

Em outras palavras, nosso objetivo estratégico deve ser para que as cooperativas de produtores e consumidores, sistemas LETS, p2p e as economias de permuta e famílias se aglutinem, de modo que esses componentes individuais funcionem dentro de uma contraeconomia coerente e cada vez mais autossuficiente em vez de se debater individualmente em um sistema maior organizado de forma hostil. Abordei essas questões em minha postagem “Construindo a estrutura da nova sociedade dentro da casca da velha”.

Apesar de suas ressalvas, diz Michel, existe uma grande complementaridade entre p2p e cooperativas.

O P2P e o movimento cooperativo compartilham o desejo de igualdade e autonomia, mas também diferem em aspectos significativos:

  • O P2P é baseado em ciber-coletivos que são organizados em uma escala global; é mais forte na produção imaterial; As cooperativas são principalmente grupos locais; e eles são perfeitamente adequados para a produção física
  • P2P é uma forma de propriedade comum que ‘pertence a todos’; as cooperativas pertencem ao coletivo de produtores específicos
  • P2P produz valor de uso, não valor de troca; As cooperativas são voltadas para o mercado e muitas de suas decisões dependem desse mercado; eles criam valor de troca. Enquanto o P2P está emergindo, crescendo e está provando ser ‘mais produtivo’ do que as alternativas com fins lucrativos, esse não parece ser o caso das cooperativas, que sempre foram marginalizadas em um mercado capitalista.
  • P2P é uma forma de participação acionária comum: qualquer pessoa contribui e usa livremente; Cooperativas são uma forma de Equality Matching: trabalho e renda são distribuídos de forma formal para garantir a igualdade. As cooperativas são baseadas na reciprocidade, P2P não.

Parece-me que os dois só podem se fortalecer em uma relação em rede. As vantagens peculiares de cada um em seu próprio setor (p2p em informação, cooperação na produção e comercialização de bens físicos e integração de ambos em alguns processos de várias etapas) complementam as fraquezas correspondentes do outro. E os dois juntos dobram a “pegada” do movimento como um todo, e reduzem a necessidade de cada um participar da economia capitalista onde os serviços do outro estão disponíveis como alternativa. Quanto mais especialidades se articulam na contra-economia, mais suas necessidades podem ser atendidas internamente, e menos vulneráveis ​​seus membros estão a serem contaminados ou cooptados pelo modelo capitalista de estado.

Marcus Moltz, que considerou as observações de Michel excessivamente críticas, observou que ele estava criando uma falsa dicotomia entre cooperativas e p2p. Para esclarecimento, Michel escreveu:

Meu objetivo na edição 88 sobre as cooperativas não era denegrir as cooperativas, mas fazer uma distinção entre esquemas baseados na reciprocidade, esquemas baseados no mercado e produção P2P não recíproca. Apesar das correções de Marcus, acredito que ainda são importantes, mas não devem ser lidas como denegrindo o movimento cooperativo, ou ‘dicotomias duras’ negando o hibridismo da prática real. Esquemas baseados na reciprocidade e esquemas de comércio justo ou de mercado compartilham o ‘espírito de presentear’ e justiça e, em termos da busca de modos de produção mais justos, fazem parte de um continuum de alternativas. Agora, eu acho que ‘peer to peer’ é no final ‘superior’ a outros esquemas. Na medida em que se descobre essa produção sem ganho e sem expectativa direta de um retorno material,pode ser moralmente mais desejável do que esquemas baseados em reciprocidade ou troca. sim. Mas também sabendo que onde não há abundância, o P2P completo não pode se desenvolver porque é baseado no “desperdício” de recursos excedentes. O enxame inerente à produção P2P é de fato ‘muito caro’ em termos de recursos humanos e é baseado na abundância ….

Eu acharia provável que em um futuro modelo civilizacional, tanto a economia da dádiva quanto os modelos baseados em Commons seriam complementares. O P2P funcionará mais facilmente onde houver uma esfera de abundância, na esfera de bens não rivais, enquanto os modelos de economia da dádiva podem ser um modelo alternativo para gerenciar a escassez, na esfera de bens e recursos rivais. Como meu próprio ideal preliminar neste projeto de pesquisa, imagino que a civilização futura terá um núcleo de processos P2P, cercado por uma camada de aplicações de presentes e comércio justo, e com um mercado que opera com base nos princípios do ‘capitalismo natural’, conforme descrito por autores como Hazel Henderson, David Korten e Paul Hawken, ou seja, um mercado que integrou ‘externalidades’ (custos ambientais e sociais) para chegar ao verdadeiro custeio.


Fonte: P2P, Cooperatives, and the Counter-Economy - Kevin Carson


Bit Gold
Truledger

Comments