Empreendedores e o Lumpemproletariado: Comparando Agorismo e Ilegalismo

Table Of Contents

Traduzido por: Iann Zorkot
Revisado por: C4SS, Instituto Ágora, Vinicius Yaunner

ver lista de contribuidores

Logan Marie Glitterbomb

Karl Marx considerava o lumpemproletariado o segmento da classe trabalhadora com o menor potencial revolucionário e, de fato, chegou a considerá-los potencialmente contra-revolucionários. No entanto, esta classe de “mendigos, prostitutas, gangsters, chantagistas, vigaristas, pequenos criminosos, vagabundos, desempregados ou imprestáveis, pessoas expulsas pela indústria e todos os tipos de elementos desclassificados, degradados ou degenerados” foi considerada por Bakunin ser a classe com o potencial revolucionário provável, acreditando que os trabalhadores assalariados estavam integrados demais no capitalismo para serem capazes de realmente desafiá-lo.

O ilegalismo surgiu como uma filosofia anarquista do lumpemproletariado. Defendido por individualistas como Ravachol, Émile Henry, Auguste Vaillant e Caserio e outros influenciados pelo egoísmo de Max Stirner, o ilegalismo promoveu o estilo de vida criminoso como o arquétipo do revolucionário, acreditando que através de ações criminosas individuais feitas em busca de desejos individuais e sobrevivência sob a opressão capitalista, eles poderiam eventualmente inspirar uma insurreição em massa levando a uma revolução. Roubo e furto eram vistos como um meio de reapropriação individual e em massa da propriedade capitalista, a falsificação e o contrabando eram usados como meio de sobrevivência e, mais controversamente, os bombardeios políticos e assassinatos foram rotulados como “propaganda pelo ato”. Os criminosos foram aplaudidos por seu desrespeito total à autoridade estatal e pelo uso do crime como tática de sobrevivência.

Os agoristas também defendem os chamados criminosos que ganham a vida nos mercados negro e cinza. Contrabando, tráfico de drogas, tráfico de armas, desobediência civil, prostituição e práticas comerciais não licenciadas são promovidos como meios de combater o poder do Estado. À medida que mais e mais atividades econômicas são transferidas do mercado branco para a economia subterrânea, o estado perde mais e mais controle sobre essas transações econômicas. Junto a isso, os agoristas defendem a evasão fiscal, o que ajuda a drenar o suprimento monetário do estado, dificultando seu funcionamento. Enquanto ambos lidam com a sobrevivência diária sob um sistema capitalista de estado, o ilegalismo meramente coloca esperança em uma revolução inspiradora de um dia, enquanto o agorismo traça um caminho claro. O agorismo dá um toque empreendedor à atividade do lumpemproletariado.

À primeira vista, essas táticas têm muito em comum. Abrigar imigrantes sem documentos, tráfico de drogas ilegais e armamento, contrabando, ocupação ilegal, prostituição, sonegação de impostos e até falsificação são ações ilegalistas que também são contra-econômicas e têm sido defendidas por anarquistas em ambos os campos. No entanto, grandes diferenças de opinião surgem quando a chamada atividade do mercado vermelho é questionada. Embora não seja uma atividade estritamente empreendedora, assassinatos políticos, bombardeios e até mesmo roubos são considerados antitéticos ao agorismo, pois violam os direitos de outras pessoas e suas propriedades. Às vezes, coisas como assassinatos políticos foram justificados por indivíduos com base na autodefesa, mas muitos agoristas acreditam que a autodefesa só pode ser reivindicada se alguém estiver sob ameaça imediata de violência que, portanto, excluiria totalmente o assassinato político.

Enquanto alguns agoristas provavelmente argumentariam que a reapropriação individual é uma violação dos direitos de propriedade, como qualquer forma de roubo ou furto, os ilegalistas argumentam que o capitalista não tem direitos de propriedade legítimos, já que fez fortuna roubando os frutos do trabalho de outros. Esse sentimento é ecoado por muitos da esquerda libertária que apontam que a maior parte da propriedade capitalista foi adquirida por meio do Estado e do bem-estar corporativo, tornando assim ilegítimas suas reivindicações de propriedade. Na tradição Rothbardiana, se o proprietário original de tal propriedade roubada não pode ser determinado ou encontrado, então ela deve ser reclamada por outros que possam oferecer uma reivindicação mais justa da propriedade. Isso não é uma chamada para uma espécie de reapropriação?

Portanto, parece que o agorismo é compatível com o ilegalismo, mas o ilegalismo é um ajuste desconfortável, na melhor das hipóteses, dentro do agorismo. Apesar dessa relação difícil às vezes, as duas filosofias podem, de fato, aprender muito uma com a outra. Ambas as filosofias desafiadoramente cospem na cara de Marx e mostram o verdadeiro potencial revolucionário do lumpemproletariado como criminosos e empreendedores. É hora de as classes baixas se levantarem e tomarem o que é delas por direito.


Fonte: Entrepreneurs and the Lumpenproletariat: Comparing Agorism and Illegalism


Trechos das cartas de Ross para amigos e familiares
Carta de Ross para Ross-A-Thon

Comments