Agorismo Vertical & Horizontal

Table Of Contents

Traduzido por: Iann Zorkot
Revisado por: C4SS, Instituto Ágora, Vinicius Yaunner

ver lista de contribuidores

Agorismo Vertical & Horizontal

Derrick Broze

“À medida que mais pessoas rejeitam as mistificações do Estado - nacionalismo, pseudo-economia, falsas ameaças e promessas políticas traídas - a Contra-Economia cresce tanto vertical quanto horizontalmente. Horizontalmente, envolve mais e mais pessoas que direcionam cada vez mais suas atividades para a contra-economia; verticalmente, significa que novas estruturas (negócios e serviços) crescem especificamente para servir a Contra-Economia (links de comunicação seguros, árbitros, seguro para atividades especificamente “ilegais”, formas iniciais de tecnologia de proteção e até mesmo guardas e protetores). Eventualmente, o “subterrâneo” irrompe no terreno onde a maioria das pessoas são agoristas, poucos são estatistas e a fiscalização do estado mais próxima não pode esmagá-los efetivamente."

  • SEK III, Agorismo Aplicado, (Uma Cartilha Agorista)[https://drive.google.com/file/d/1I4flLRd–FCPFOXWQ5TxBZCtClPoK_WE/view].

Vamos dar uma olhada em dois tipos diferentes de ação contra-econômica que são aplicáveis a uma variedade de indivíduos em uma variedade de situações de vida. Eu me refiro a essas estratégias como Agorismo Vertical e Horizontal. Estamos trabalhando com duas definições complementares de horizontal e vertical que explicam melhor o “como fazer” da filosofia agorista. Essas definições foram tiradas da citação acima de Samuel Konkin III e do economista austríaco sueco Per Bylund e seu ensaio de 2006, A Strategy for Forcing the State Back. Vamos comparar as definições e ver como elas podem fornecer um caminho para o contra-economista curioso.

Konkin começa descrevendo a contra-economia como crescendo horizontalmente no sentido de uma porção crescente da população dominante voltando suas atividades para a economia não estatista. O crescimento vertical, no sentido konkiniano, envolve a criação real de contra-instituições às contrapartes estatistas. Isso significa construir alternativas não apenas para os centros de poder econômico por meio de moedas alternativas, mas alternativas para a mídia corporativa morta, os sistemas corporativos de produção de alimentos, os centros acadêmicos complacentes e o crescente complexo industrial sem fins lucrativos.

Per Bylund descreve sua visão do agorismo vertical como a estratégia “introvertida” baseada no trabalho e nas ideias do libertário radical Karl Hess. Hess foi um orador e redator de discursos extremamente eloqüente que passou de conservador a anarquista libertário e a um organizador e ativista comunitário de tendência mais à esquerda. Durante a década de 1960, ele esteve fortemente envolvido na organização do campus durante a ascensão dos novos movimentos estudantis de esquerda e anti-guerra. Hess trabalhou com Murray Rothbard, Konkin, Carl Ogelsby dos Students for a Democratic Society e vários outros na tentativa de formar alianças entre a nova esquerda emergente e os movimentos libertários. Ele também foi uma das poucas pessoas a ter 100% de seu salário roubado pelo IRS(1) por contestar o imposto de renda.

Na década de 1970, Hess mudou o foco de seu ativismo para experimentar a construção de comunidades no bairro de baixa renda Adams-Morgan em Washington DC. Em seus livros Community Technology e Neighbourhood Power, Hess descreve como trabalhou com o bairro local para construir uma comunidade empoderada focada na sustentabilidade - ou o que eles denominaram “tecnologia apropriada”. Hess descreve um bairro com hortas aquapônicas em porões, jardins em telhados e serviços comunitários destinados a substituir as opções do Estado. Ele estava convencido de que ferramentas e tecnologia contribuem diretamente para a liberdade. Ao ser capaz de compartilhar ferramentas com os membros da comunidade, você pode compartilhar o acesso aos meios de produção e incentivar o empreendedorismo.

É a esse foco no empoderamento da comunidade que Per Bylund se refere como estratégia vertical ou introvertida. Essas ações podem ser consideradas agoristas no sentido de que visam construir a autoconfiança e a comunidade em vez de depender de forças externas, mas não são explicitamente contra-econômicas porque não envolvem os mercados negro e cinza(2). Ainda assim, essas ações verticais são extremamente valiosas e necessárias.

O Agorismo Vertical inclui a participação e a criação de redes de intercâmbio comunitário, agricultura urbana, jardinagem de quintal, mercados de agricultores, apoio à alternativas à polícia e apoio a tecnologias descentralizadas ponto a ponto. Embora essas etapas verticais possam envolver o uso da moeda do Estado (e, portanto, não são completamente contra-econômicas), elas ainda são significativas para desafiar a dependência do Estado e das classes corporativas. Outras etapas verticais podem não envolver diretamente a troca de moeda, mas ainda funcionam contra a dependência. Isso pode incluir apoio moral e promoção de tecnologias que perturbam o status quo e promovem relacionamentos mais fortes entre os membros da comunidade.

Um exemplo muito pronunciado de Agorismo Vertical é visto na crescente mídia alternativa que se tornou possível com a Internet. Menos de uma geração atrás, a grande mídia, propriedade de megacorporações e rigidamente regulamentada pelo governo, controlava todas as informações que chegavam à sociedade. A distribuição da informação na sociedade veio de cima para baixo, tornando muito fácil fazer uma lavagem cerebral na população. No entanto, com a ascensão dos ativistas da Internet e indivíduos em busca de liberdade, descobriram que poderiam usar esse novo meio para criar sua própria mídia, tornar-se jornalistas e lutar contra a propaganda do Estado. Em poucos anos, a mídia alternativa rapidamente destruiu o monopólio da grande mídia, assumindo grande parte de sua antes exclusiva participação de mercado. O aumento da mídia independente fornece um excelente exemplo em nosso estudo de como instituições e sistemas alternativos podem ser criados para competir com os monopólios estatais existentes. (Infelizmente, o Estado Corporativo também permeou as mídias sociais e a censura de vozes independentes é, desde 2019, generalizada.)

O objetivo é questionar e desafiar os mecanismos de poder que buscam influenciar e governar nossas vidas. Isso inclui o Estado, bem como outras instituições que tentam exercer controle e influência. Por exemplo, ao escolher cultivar sua própria comida ou apoiar os agricultores locais, você está dando um passo vertical para se afastar das corporações de biotecnologia que promovem o uso pesado de pesticidas e uma tecnologia potencialmente perigosa. Você também não está apoiando o transporte de produtos alimentícios a milhares de quilômetros de distância. Em vez disso, você caminha até seu quintal ou mercado local para comprar seus produtos. Isso aumenta muito a sua independência ao encerrar o suporte a uma indústria insustentável. Essas etapas verticais também são as maneiras mais fáceis de começar a viver de acordo com seus princípios. Mais uma vez, podemos ver o valor da consistência de palavras e ações.

Per Bylund descreve a estratégia horizontal, ou extrovertida, como mais diretamente relacionada às ideias de Konkin. O rótulo extrovertido está relacionado à escolha ousada de buscar ações que o Estado considera ilegais ou imorais. Ao se aventurar nesse território, você está se juntando às fileiras do contrabandista, do traficante de bebidas, do traficante de cannabis, do jardineiro de guerrilha, do traficante de armas, do cripto-anarquista e do cortador de grama não licenciado, vendedor de alimentos ou barbeiro. Quando se combina a estratégia agorista vertical e horizontal, surge uma imagem que ilustra os passos que uma ampla gama de pessoas pode realizar em uma variedade de situações e ambientes de vida.

No canto inferior esquerdo, temos Estatismo e no canto superior direito, Agorismo. Podemos traçar ações verticais que ajudam a tirar o indivíduo da dependência. Talvez sua situação seja mais adequada para ações verticais, como cultivar sua própria comida, usar mensagens criptografadas, hospedar, em sua casa, eventos de compartilhamento de habilidades para a comunidade, praticar táticas pacíficas de paternidade, fornecer alternativas ao bem-estar do Estado por meio de crowdfunding, dinheiro para projetos comunitários e alimento para os sem-teto ou, simplesmente, limpando a vizinhança. Cada uma dessas etapas move o indivíduo (e, a longo prazo, a comunidade) verticalmente em direção à consistência e independência. Para aqueles que estão prontos para se tornarem contra-economistas e assumir os riscos da atividade do mercado negro e cinza, nós traçamos suas ações tanto vertical quanto horizontalmente. Um agorista praticando horizontalmente e verticalmente se moveria para cima e para longe do Estatismo e dependência para a posição superior direita do Agorismo. Isso significa que para cada jardim construído, moeda alternativa usada, imposto evitado, habilidade compartilhada, negócios praticados sem licença e substância ilegal vendida, o indivíduo pode traçar seu progresso, passando da dependência para a autoconfiança e do estatismo para o agorismo.

Quando Konkin adotou pela primeira vez o conceito de agorismo, a contra-economia praticada conscientemente, pode ter envolvido apenas alguns libertários radicais. Mas, desde aquela época, as oportunidades de trocas no mercado negro e cinza cresceram imensamente. À medida que as fraquezas do Estado se tornam aparentes, será mais seguro para as massas começar a sair da economia anterior e aderir à contra-economia. Este é o mercado ou ágora verdadeiramente liberto de que falou Konkin.

Lembre-se de que não podemos derrotar o Estado Tecnocrático usando sua tecnologia cegamente, pois isso servirá apenas para fortalecê-lo. Devemos criar e apoiar alternativas aos monopólios do Estado sempre e onde for possível. Será preciso que corajosos contra-economistas se aventurarem em territórios desconhecidos, cometendo erros, ocasionalmente sendo vítimas das leis do Estado e aprendendo como melhorar nossa abordagem. Precisamos desses pioneiros para lançar as bases para que outros não tenham que enfrentar as mesmas dificuldades no futuro. À medida que esses desbravadores iluminam o caminho, também esperamos ver um crescimento de comunidades livres e redes de liberdade em todo o mundo.

Tenho uma visão de milhares de comunidades autônomas interligadas, compostas por indivíduos capacitados com uma variedade de ideias e expressões únicas da experiência humana. Essas comunidades estão negociando e compartilhando habilidades voluntariamente sem a violência inerente ao nosso paradigma atual e sem as constantes invasões de privacidade. Eu acredito que este mundo pode ser alcançado com um esforço organizado para espalhar a filosofia agorista e aumentar a participação na contra-economia via Agorismo Vertical e Horizontal e o conceito de Células da Liberdade que iremos cobrir na Parte 2.

Disponível originalmente no livro “How to Opt-Out the Technocratic State” (Como se Auto-Excluir do Estado Tecnocrático)

Notas do Tradutor:

  1. IRS é o equivalente americano à Receita Federal

  2. É discutível se atividades que não são de Mercado Negro ou Cinza possam ser consideradas contra-econômicas ou não. Para uma opinião diferente da desse autor, recomendo a leitura do artigo Agorismo do Mercado Branco, de Logan Marie Glitterbomb.


Fonte: Vertical and Horizontal Agorism - Derrick Broze

YouTube Video | Vertical and Horizontal Agorism - Derrick Broze


O convite de Ross para se juntar a ele na meditação
Carta de Ross para a Conferência Nexus

Comments